sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Joia maior!... - Miguel Russowsky

Começo por supor, nos ares, o desenho
De um verso magistral procurando agasalho.
Cabe a mim (sou poeta) encontrar um atalho
Para vê-lo nascer nos recursos que tenho.

Com as rimas gentis nas estrofes, me empenho
Em ser original (poucas vezes eu falho),
Já nem ouso explicar se é prazer ou trabalho
Exibir ao leitor as farturas do engenho.

O esmeril dá-lhe o brilho e lhe poda as arestas...
Assim é que se faz um soneto bonito,
Para ser declamado em saraus ou em festas.

Ninguém pode dizer o valor de uma joia,
Se polida não foi pela mão do perito.
É na lapidação que a beleza se apoia.

Um comentário:

  1. É sempre uma jóia maior uma poesia. É sempre feita com
    muito conhecimento da vida e muita sensbilidade.
    De facto, é na lapidação que a beleza se apoia.
    Um gosto ter lido esta sua poesia.
    Irene Alves

    ResponderExcluir