domingo, 6 de dezembro de 2015

ESTELA E NIZE – Alvarenga Peixoto


Eu vi a linda Estela, e enamorado
Fiz logo eterno voto de querê-la
Mas vi depois Nize e a achei tão bela
Que merece igualmente meu cuidado

A qual escolherei, se neste estado
Não posso distinguir Nize de Estela
Se Nize vir aqui, morro por ela;
Se Estela agora vir, eis-me inflamado

Mas ah que aquela me despreza amante
pois sabe que estou preso a outros braços
E esta não me quer por inconstante.

Vem, cupido, soltar-me destes laços;
Ou faz de dois semblantes um semblante
Ou parte meu coração em dois pedaços!!!

Um comentário:

  1. Hoje venho especialmente desejar ao autor deste blogue e a todos os poetas vivos aqui inseridos,
    os meus votos de um Feliz Natal.
    Para os que já partiram a certeza de que através
    da sua poesi se mantêm vivos.
    Abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderExcluir