quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

A ÁRVORE DOS DESEJOS - Seamus Heaney

Tradução de Rui Carvalho Homem

Recordei-a como a árvore dos desejos que morreu
E vi-a subir, inteira, até ao céu,
Deixando um rasto de tudo o que se cravara

Por cada carência, uma e outra vez, na têmpera
Da sua casca e sâmago: moeda, alfinete e prego
Desfraldaram dela como uma cauda de cometa

Recém-cunhada e dissolvida. Tive uma visão
De uma ramada aérea atravessando úmidas nuvens,
De rostos erguidos, onde a árvore estivera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário