quinta-feira, 23 de março de 2017

DOS MEUS 67 ANOS EM DIANTE - Rafael Rocha

Do livro “Poemas Escolhidos”

Além do que pude ser gente tão jovem
buscando uma espaçonave na internet
para o voo interestelar entre planetas
com o Capitão Kirk no comando
da grandiosa nave Enterprise
tendo ao lado o orelhudo Spock
para me espelhar na sua lógica.

Dos meus 67 anos em diante
vou recordar coisas distantes e do antes
tentar atingir as nuvens
buscar sentir as paisagens
coisas de quando ainda
nem cabelos brancos tinha.
Histórias fantásticas que ninguém escreveria.

Dos meus 67 anos do antes para o adiante
tentei até escrever um blog na internet
sobre quando ainda nem possuía
uma história de gente.
De quando ainda escrevia
odes tímidas dedicadas às papoulas vermelhas
da casa dos meus velhos pais
em um bairro proletário.

Dos meus 67 anos em diante a vir do antes
vejo a mulher dormindo nua
sem oferecer promessas certas
para usufruir a carne crua.
Faço do espaço do tempo sexagenário
em diante e mais adiante e adiante mais
o que possa caber de poemas sobre a lua
bebendo a minha cerveja em algum bar da minha rua.

Além do que pude ser:
intelectual radical de mim com amigos radicais de si
com tantos espaços ilimitados
para imaginar os efeitos do que fazer dos meus 67 anos
de agora em diante e adiante lembrando o antes.
Como bem disse Pessoa
“O poeta é um fingidor”...
Vamos fingir!

“Filhos, filhos, filhos
melhor não tê-los”
disse Vinicius.
“Mas se não os temos como sabê-los?”
Como sofrer por eles quando velhos?
E esperá-los quase inerte
olhando relógios nos espelhos
a pensar se eles e eu somos iguais
e de onde a vida lhes traz
vertiginosos perigos?

Dos meus 67 anos em diante
não pretendo dissertar coisas amáveis.
Eu não sei os anos da frente.
Sei os 67 anos de antes
e as aventuras loucas concebidas
sem permissão de ninguém.
Conhecendo a dama de vermelho.
Trepando com a dama de vermelho.
Amando a dama de vermelho
com o consentimento do amigo.

Dos meus 67 anos em diante
não poderei dissertar história alguma
mas dos 67 anos do antes
lembro dos meus aniversários e das festas
de quando a minha mãe era a mulher mais bela
de quando o meu pai era meu indiscutível herói
de quando meus irmãos eram destinos
afetivos e amorosos e amigos
a cada passo de cada um e ao passo de todos.

Saudades!
Eram carnavais que nos faziam a vida
ser a cada dia mais relampejante.
Eram bocas iguais à boca da Regina
aquela fantasia feita de primeiro amor
que só beijei em uma noite de folia
sob a marchinha da lua cantada por Ângela Maria.

Saudades!
Eram fugitivos dias nas praias da cidade.
Doses de vodca com laranjas (coisas especiais).
Saudades!
Eram toques das mãos da piniqueira Suely
antes de a gente ser profissional de punheta
atacados por maruins nos canaviais.

Dos meus 67 anos para o agora em diante
melhor dissertar os anos distantes
faltam poucas coisas para ver o sol poente.
Mas ainda faço um brinde
encho meu copo com a mais espumosa cerveja
e grito: Evoé, Baco!
E o mundo ainda me responde!
Evoé! Evoé!

Dos meus 67 anos para o agora em diante
sentindo as recordações distantes
hoje posso morrer sem medo
e usufruir as coisas proibidas
e gritar bem alto e de bom som
para os idiotas acadêmicos:
– Vão tomar no cu! –

Dos meus 67 anos para o agora em diante
eu sou dono de toda a minha história.
Busco a sabedoria como um Lama!
Sou revolução como um Guevara!
E, simplesmente, sou um homem!
Ainda estou vivo!

Desce à Terra a nave Enterprise.
Nosso mundo não está perdido.
Eu estou no comando junto com meu amigo. 
O mundo jamais vai se acabar!

Um comentário:

  1. Dos meus 67 anos em diante, há-de haver
    muitos mais e o amigo continará a escrever
    porque sabe fazê-lo e isso o apaixona.
    Um abraço
    Irene Alves

    ResponderExcluir