quarta-feira, 24 de setembro de 2014

No tempo em que a canção - Maria Thereza Noronha

A música eletrônica me faz nervosa e insone
centopeia no ar gritando com cem pernas
queria envelhecer ao som do gramofone
no tempo em que a canção era abafada e terna.

O tempo onde o mocinho vencia o bandido
e a vida em preto e branco alternava mistérios
vivia-se e ninguém falava ao telefone
e o pai levava o filho a ver o trem de ferro.

Vivia-se e ninguém falava em Microsoft
e a vida, delicada, punha os pés na terra
queria envelhecer ao som de um foxtrote
no tempo em que a canção era abafada e terna.

Um comentário:

  1. Pois outros tempos, que nalgumas situações deixaram saudades
    que perdura. Gostei de conhecer a sua poesia.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir